Você está em: Notícias > O mercado de Banho e Tosa e sua perspectiva para 2015
09/06/2015 21h21 | Mundo Pet
O mercado de Banho e Tosa e sua perspectiva para 2015
Mesmo com a maior contração do PIB em 25 anos e IPCA de 7,47% em 2015, mercado de Banho e Tosa continua mantendo equilíbrio.

O mercado financeiro estima um encolhimento do PIB (Produto Interno Bruto) de 0,58% neste ano, segundo o relatório de mercado do Banco Central, fruto de pesquisa com mais de 100 instituições financeiras. Se confirmada, será a maior contração anual da economia brasileira desde 1990 – quando se retraiu 4,35%.

Os números do levantamento foram coletados e divulgados no início do mês de março pela autoridade monetária. Na semana anterior, os economistas dos bancos previam uma contração de 0,50% para a economia brasileira em 2015.

As previsões do mercado financeiro mostram que um cenário  de recessão no fim de 2014 e início de 2015 não pode ser descartado. A recessão técnica se caracteriza por dois trimestres consecutivos de contração do PIB.

A prévia do PIB divulgada recentemente pelo Banco Central indicou uma retração de 0,15% no PIB em 2014. Nos três últimos meses do ano passado, contra o trimestre anterior, o PIB teria registrado uma contração também de
0,15%, segundo a prévia divulgada pelo BC.

Apesar desse cenário econômico nada animador que os números nos têm apresentado, o presidente do Sindpet DF (Sindicato dos Empregados em Estabelecimento de Petshop), Fernando Toniol, acredita que 2015 será um ano de
equilíbrio. “Apesar de toda crise enfrentada no país em 2014, e do ano de 2015 não nos apresentar muitas novidades no crescimento econômico nacional, o serviço de banho e tosa continua seguindo seu ritmo de evolução atingindo média de crescimento superior a 14% ano. Esse número é baseado no aumento de profissionais que começam a atuar na área e isso nos faz ver que mesmo sendo um ano difícil economicamente a estética animal é um mercado não somente do futuro, mas também presente para a geração de empregos”, diz Fernando Toniol.

De acordo com Toniol, para 2015 o equilíbrio ditará a tendência. “Temos notado uma tendência ao equilíbrio, nada tão glamuroso como as pinturas e tosas exóticas que dominaram o mercado dos últimos três ou quatro anos, mas sim um retorno às tosas padrão de raças e às tosas bebês mais tradicionais, gerando um equilíbrio entre o que se vê nas competições e nas ruas. Em minha opinião o que vislumbro para este ano é a busca constante que os profissionais da área devem ter pela qualificação.

Nossa área ainda tem muito a crescer, mas os melhores postos de trabalho começam a ser ocupados pelos mais qualificados e não pelos que mais fazem show, o que claramente mostra um amadurecimento de todo o mercado”, avalia.

Sergio Villasanti, groomer referência da Pet Society, acredita que a saída dos profissionais para este ano é apostar na especialização. “Acredito que a tendência será se especializar mais nas funções dos materiais de trabalho para que
possam fazer a solicitação do cliente com mais facilidade e rapidez. O material pode ajudar a tornar o seu serviço muito mais fácil. Isso é uma coisa preocupante, pois um material que foi adquirido e que teria cinco funções infelizmente terá somente uma, pelo fato de o groomer não saber as outras quatro. Na parte de banhos, eu acredito que tudo que deixe a pelagem macia, cheirosa e brilhante será muito importante este ano, pois a cada ano os animais domésticos estão mais próximos do proprietário, ou seja, dormem com eles, assistem à televisão, ficam em sofás, têm mais contato com crianças, etc. Desta forma, um animal limpo, cheiroso e com um pelo saudável com certeza não cairá de moda”, analisa Villasanti.

Apesar da presidente Dilma Roussef afirmar o contrário, os números nos mostra que é preciso tomar cuidado e manter a cautela. Ainda que o faturamento do mercado pet tenha superado a linha branca de eletrodomésticos, o mercado pet é periférico. “O mercado de banho e tosa dentro do cenário econômico nacional sempre se destacou e teve um crescimento acelerado na demanda por serviços nos últimos anos, atraindo todo tipo de pessoas interessadas em montar seu próprio negócio. Atraídas por acreditarem que se tratava de um negócio de baixo investimento, fácil operação e bons rendimentos. Passado este período, o mercado se reacomoda. Os despreparados não conseguem sobreviver. Aperto econômico, crise no abastecimento de água, falta de tosadores disponíveis são ingredientes que agravam a dificuldade. Quem conseguir manter-se de pé por mais de três anos amadurece
a empresa e, se fizer a coisa certa, vai estar em um mercado mais competitivo que não aceita improvisos. Acredito que 2015 é a época do amadurecimento. A minha dica para quem pretende fazer parte dos sobreviventes é buscar conhecimento de gestão, improvisos não dá mais!”, avalia Enio Rodrigues, diretor da Unipet.

Portanto, nesse momento, é preciso tomar cuidado com indicadores e o oba-oba mostrado pela mídia em época de feiras, visto que há um encarecimento recente de insumos, produtos e recursos essenciais como a água, cada vez mais escassa, e a luz, pois em breve farão diferença nos índices de crescimento e no número de empresas pet que fecharão as portas em 2015 e 2016.

CopyRight 2012 © vetplus software
Avenida Ipiranga, 1744, Sala 01 - Cuiabá - MT, 78031-030 - (65) 3051-4988 / (65) 98459-6776
E-mail:
Senha: